Ecotoxicologia: uma temática em ascensão

A ecotoxicologia deriva dos termos ecologia e toxicologia. A ecologia é o estudo da interação dos seres vivos entre si e com o meio ambiente em que vivem, já a toxicologia é a ciência que busca compreender os efeitos causados por substâncias químicas, bioquímicas e seus processos biológicos, levando em consideração a sensibilidade de diferentes organismos à exposição de substâncias químicas e as toxicidades relativas de diferentes substâncias. 

Sugerida pela primeira vez em junho de 1969 pelo toxicologista francês René Truhaut, a ecotoxicologia foi definida como a ciência que estuda os efeitos das substâncias naturais ou sintéticas sobre os organismos vivos, populações e comunidades, animais ou vegetais, terrestres ou aquáticos, que constituem a biosfera, incluindo assim a interação das substâncias com o meio nos quais organismos vivem no contexto integrado. 

Há alguns anos, a ecotoxicologia é utilizada como parâmetro legal na regulamentação da qualidade de água, de efluentes e de sedimentos. A Resolução Conama n° 344/04 institui ensaios ecotoxicológicos para casos de disposição de sedimento a ser dragado quando a concentração de algumas substâncias possam oferecer riscos. Já a Resolução Conama n° 357/05 instituiu o uso de ensaios ecotoxicológicos como parâmetro de qualidade das águas e a CONAMA 430/11 para efluentes. Portanto, o objetivo da avaliação de ecotoxicidade é ser capaz de prever os efeitos da contaminação em organismos biológicos, prevenção ou reparação de quaisquer defeitos prejudiciais de forma eficiente e efetiva.

Alguns dos testes realizados em sedimentos, águas e efluentes, contam com as espécies: Nitokra sp.* (microcrustáceo bentônico estuarino), Hyalella azteca (microcrustáceo bentônico de água doce), PImephales promelas e Danio rerio (peixes), Ceriodaphnia dúbia, Ceriodaphnia silvestrii, Daphnia magna,  e Daphinia similis (microcrustáceos), Desmodesmus subspicatus (alga), Skeletonema costatum (microalga) e Vibrio fisheri (bactéria).

Segundo o Dr. Alexandre Arenzon, pesquisador da UFRGS e consultor técnico na área, ainda que seja importante e exista uma exigência legal para a realização de ensaios de toxicidade por parte dos por órgãos de fiscalização ambiental, essa ciência ainda é pouco explorada nas grades curriculares dos cursos das áreas ambientais. Notando-se que não basta apenas conhecer os ensaios, é necessário interpretar pareceres, sobretudo, pelos responsáveis técnicos da rede industrial para que se garanta maior eficiência nas tomadas de decisão.

Gostaria de saber mais sobre ecotoxicologia? Venha se inscrever no curso de “Interpretação de resultados dos ensaios de toxicidade no monitoramento de efluentes”. 

Link para inscrição: https://www.e-inscricao.com/ecotox_cursos/toxicidade

Atenção! As vagas são limitadas e se encerram no dia 25/03/2022.

Compartilhe:

Postagens Relacionadas

Nos chame no WhatsApp
1

Este site usa cookies para lhe dar a melhor experiência online, permitir que você compartilhe conteúdo nas redes sociais e medir tráfego para este site. Ao navegar por nosso conteúdo, o usuário aceita tais condições.